terça-feira, 30 de novembro de 2010

Mais seleção sub-20

Eu e Marcelo Gomes batemos um papo com Ney Franco.
Ney, sempre solícito e simpático, falou que sofreu para convocar os 25.
A lista era de 38 e ele teve que tirar alguns nomes e colocar outros.
Oscar, ex-São Paulo e atualmente no Inter, não estava na lista e pelas suas últimas atuações ganhou espaço.
Outro ponto destacado e observado por Ney Franco é a versatilidade dos atletas.
Ney citou Alex Sandro e Danilo, ambos laterais do Santos que podem atuar como meias e volantes.
João Pedro, Zé Eduardo e Phillipe Coutinho - os três "estrangeiros" do time, devem se apresentar em datas diferentes.
A possibilidade de ter uma seleção de toque de bola e altamente técnica fascina o treinador. Entretanto, Ney sabe que a cobrança será pesada e tem consciência de que a classificação não será das mais fáceis.
A função do treinador é coordenar as categorias de base da seleção e nas Olimpíadas, Ney será um dos auxiliares de Mano Menezes.

Lista do Ney

Ney Franco convocou a seleção para o Sul-Americano sub-20.
Apenas jogadores nascidos em 91-92 foram convocados.
A geração é das melhores e é possível montar um belo time e uma base ótima para os jogos olímpicos.

Goleiros- Aleksander (Avaí), Gabriel (Cruzeiro) e Milton (Botafogo).
Zagueiros- Alan (Vitória), Bruno Uvini (São Paulo), Juan (Inter), Romário (Inter) e Saimon (Grêmio).
Laterais- Danilo (Santos), Galhardo (Flamengo), Alex Sandro (Santos) e Gabriel Silva (Palmeiras).
Meio Campo- Alan Patrick (Santos), Lucas (São Paulo), Oscar (Inter), Philippe Coutinho (Inter Milão), Casimiro (São Paulo), Fernando(Grêmio), João Pedro (Palermo) e Zé Eduardo (Parma).
Ataque- Diego Maurício (Flamengo), Henrique (Vitória), Lucas Gaúcho (São Paulo), Neymar (Santos) e William (Prudente).

Dá para formar um time legal. Que tal?

Gabriel, Danilo, Juan, Bruno Uvini e Gabriel Silva; Zé Eduardo, João Pedro, Lucas e Philipe Coutinho; Neymar e Lucas Gaúcho.

Tenho quase certeza que Diego Maurício será titular. A pressão será forte e ele, titular, pode ser vendido mais facilmente.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O Camp Nou vai ficar pequeno

É hoje!
A liderança do Campeonato Espanhol está em jogo. Real Madrid, 32 pontos, e Barcelona, 31, se enfrentam e a promessa é de um jogaço.

2009/2010
Na temporada passada o Barcelona de um show e a Liga ficou com Messi, Xavi e Cia. Com um futebol envolvente, rápido e de muito toque de bola, não teve para os rivais, ou melhor, não teve para o Real Madrid. O time merengue fez uma temporada irregular e teve muitos problemas ao longo da competição. Fora de campo, quem comandava a equipe era o chileno Manuel Pelegrini. O treinador, que teve boa passagem pelo Villarreal, não conseguiu fazer o time de Madrid apresentar um bom futebol. A equipe não tinha conjunto e disputou o título graças ao talento individual de seus jogadores. Kaká e C.Ronaldo seriam as grandes estrelas da temporada. Das duas apostas, apenas o português brilhou. Enquanto Kaká sofreu muito com as contusões e foi uma incógnita ao longo da temporada, o português assumiu a responsabilidade de comandar a equipe dentro de campo e correspondeu, jogou praticamente sozinho.


2010/2011
Para esta temporada o Real Madrid vem mais forte. José Mourinho assumiu o comando da equipe e a mentalidade mudou. O time é mais consistente, mais coeso e apresenta um futebol mais coletivo. Além de Mourinho, os reforços para o lado de dentro do campo também acrescentaram muito à equipe merengue. Ricardo Carvalho, Di Maria e principalmente o alemão Ozil deram uma nova cara ao Real.
Enquanto o Real Madrid se reforçou, o Barcelona fez prevalecer sua tradição. O clube catalão valoriza suas categorias de base e tem uma geração campeã; Valdés, Puyol, Pique, Xavi, Iniesta, Pedro e Messi vieram das “canteras”. Enquanto o Real Madrid contrata grandes jogadores, o Barça prefere criar seus craques. Uma peça ou outra é trocada - vai Ibra vem Villa – mas o padrão de jogo é sempre o mesmo; valorizar a posse de bola, manter o adversário em seu campo de defesa e na base da técnica conquistar a vitória.
No jogo de hoje teremos vários duelos particulares e as comparações são inevitáveis: Daniel Alves ou Marcelo? Ozil ou Iniesta? Mourinho ou Guardiola? Messi ou C.Ronaldo? Para você, quem vence o duelo de gigantes? Barcelona ou Real Madrid?

Colaboração: Vander Ribeiro

domingo, 28 de novembro de 2010

Mata-mata ou pontos corridos?

Tanta gente tem tanto argumento...
Argumentar é salutar.
Debater é crescer.
Os últimos acontecimentos e as suspeitas de entrega dos jogos são péssimos não para a fórmula de pontos corridos e sim para o ambiente esportivo.
No mata-mata, nos últimos jogos, nada impede um time já sem pretensões na competição de ajudar ou prejudicar um terceiro interessado.
O campeonato disputado em pontos corridos é mais justo, mas não é perfeito.
Inclusive, o que é a perfeição?
Trocar a fórmula de disputa é o mesmo que tirar o sofá da sala.

Modelo argentino

Existe uma corrente que defende a média de pontos como fator preponderante para rebaixamento e classificatório para Libertadores.
Quem defende a média, entende que três anos de soma de pontuação estimula qualquer time a disputar forte e concentrado qualquer jogo.
Entretanto, a partir de qual critério, não cai quem deveria cair e não sobe quem deveria subir?
Por quais motivos o Sport fica mais três anos com verba de televisão definida, enquanto as outras equipes ficam ganhando mais para depois cair?
Defender a média de pontos é defender uma virada de mesa e poucos perceberam isso.

Sou a favor da manutenção da disputa por pontos corridos.
Gosto e muito das finais, mas entendo que as finais dos Estaduais e da Copa do Brasil já preenchem a carência dos jogos decisivos.
Chega! É preciso valorizar a fórmula atual.

Corinthians vence com segurança

O Vasco até que tentou, mas o Corinthians se mostrou mais forte, mais seguro e melhor que o adversário.
O jogo, que valia muito para a definição do campeonato, foi limpo.
O Corinthians de Tite é um time que controla as partidas, mas finaliza pouco.
Finalizou pouco e venceu.
Sem Ronaldo e sem Elias e ainda assim bem melhor que o adversário.
O Vasco poderia abusar da velocidade contra uma defesa lenta, mas o Corinthians enquadrou o ataque vascaíno.
O primeiro gol corintiano saiu aos 39 minutos.
Bruno César, que sempre arrisca, bateu de fora da área e Dedé desviou a bola.
Fernando Prass não conseguiu segurar.
O Vasco voltou melhor para o segundo tempo.
Alan saiu e Fumagalli entrou.
Éder Luís, Fumagalli e Zé Roberto faziam uma linha que tinha como objetivo segurar o meio corintiano.
Carlos Alberto estava mais adiantado e a bola começou a chegar.
Em uma das poucas escapadas do Corinthians, Roberto Carlos levou a bola para a linha de fundo e achou Danilo, que concluiu de cabeça.
O segundo gol soou como fim de jogo.
As emoções se foram.
A bola era trabalhada de intermediária a intermediária.
O único fato diferente a entrar em campo foi a expulsão do desanimado Zé Roberto.
Onze contra dez e 2 a 0 no placar.
O Corinthians foi o mesmo time forte e compacto.
O Vasco foi um time que até tentou, ao menos tentou...

Pré jogo de Atlético e Goiás

Um tem motivo para lutar e o outro já não tem mais.
A melhor colocação do Atlético no campeonato foi na primeira rodada, quando o time ocupou a segunda posição.
O Goiás, na sétima rodada teve seu melhor desempenho ocupando o sétimo lugar.

Confronto direto

Total de jogos - 34
Vitórias do Atlético - 16
Empates - 8
Vitórias do Goiás - 10
Gols do Atlético - 51
Gols do Goiás - 41

O último confronto em Brasileiros teve o Atlético como vencedor.
O Atlético venceu por 3 a 1, com gols de Obina, Diego Souza e Obina.
Bernardo fez o gol do Goiás.
Os últimos resultados dos jogos entre Atlético e Goiás mostraram igualdade.
Nos últimos sete jogos o Galo obteve duas vitórias, uma derrota e cinco empates.

Atlético e Goiás já se enfrentaram 15 vezes em Minas Gerais pelo Brasileirão e a vantagem atleticana é grande.
Foram nove vitórias, 2 empates e 4 derrotas.
O Galo marcou 26 gols e sofreu 18.
Jogar contra o Goiás em uma cidade diferente de Belo Horizonte não é novidade no confronto.
Em 2003, em Ipatinga, o Galo ganhou por 3 x 2.

A maior goleada do confronto foi em 75, quando o Atlético venceu por 5 x 1.
O Goiás nunca conseguiu vencer por diferença maior que dois gols.

Uma partida entre Atlético e Goiás não termina empatada em 0 x 0 em Brasileiros há 15 anos, ou 19 jogos.

Uma vitória afasta o risco de rebaixamento. O Goiás, já rebaixado, ainda pode terminar a competição como lanterna. Por outro lado, pode ser campeão da Sul-Americana e alcançar a Libertadores.

O Atlético não é derrotado no Brasileiro há 4 rodadas. O Goiás não vence há cinco rodadas. A última vitória foi contra o Avaí, em 24 de outubro.

Atlético e Goiás tem as duas piores defesas da competição. O Galo sofreu 59 gols e o Goiás, 64.

Prováveis

Atlético- Renan Ribeiro, Rafael Cruz, Werley, Réver e Leandro; Zé Luís, Serginho, Renan Oliveira e Diego Souza; Tardelli e Obina. Técnico Dorival Júnior.

Goiás- Harley, Leyrielton, Danilo, Valmir Lucas e Jadilson; Jonilson, Wendel Santos, Lenon e Camacho; Everton Santos e Wendel Lira.

Esboço

O Atlético mantém a formação com dois meias e dois volantes, sendo que Serginho se transforma em meia pela direita. Tardelli e Obina são os homens de ataque. Obina centraliza a s jogadas e Tardelli salta do meio para os lados e abre espaços.

O Goiás joga com time quase todo reserva.
Harley será o único titular absoluto que vai para o jogo. Diferentemente do time titular, os reservas esboçam atuar com dois zagueiros apenas. Jadílson, que é jogador de apoio, não deve ter tanta liberdade como o seu estilo de jogo pede.

Pré jogo de Flamengo e Cruzeiro

Desde a rodada 17 que o Flamengo ocupa posições incômodas na tabela, variando do 13° lugar ao 16°, entretanto, sem entrar na zona de rebaixamento.
O Cruzeiro teve sua pior colocação na 7a rodada, quando a equipe ficou no 11° lugar.
Desde a 22a rodada o Cruzeiro esteve entre os três primeiros colocados.

Confronto direto

Jogos disputados - 39
Vitórias do Flamengo - 11
Empates - 10
Vitórias do Cruzeiro - 18
Gols Flamengo - 43
Gols Cruzeiro - 49

O último jogo entre as duas equipes, pelo Brasileiro foi em Uberlândia e deu Cruzeiro. Robert marcou o único gol do jogo. Confronto em Brasileiros: Cruzeiro 1x0 Flamengo

O Flamengo não vence o Cruzeiro há 3 anos (ou 6 jogos). A última vitória do Flamengo aconteceu em 07: Flamengo 3x1, Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro, gols de Léo Moura, Souza e Obina, descontando Guilherme para o Cruzeiro.

O Cruzeiro venceu os últimos 6 jogos contra o Flamengo, sendo todos válidos por Campeonatos Brasileiros: Cruzeiro 3x1/2007; Cruzeiro 2x1 e 3x2/2008; Cruzeiro 2x0 e 2x1/2009 e Cruzeiro 1x0/2010.

Flamengo e Cruzeiro já se enfrentaram em Volta Redonda. No único confronto entre as duas equipes na cidade do Aço, dia 19/12/2004, o Fla venceu por 6x2, gols de André Bahia-2, Ibson, Wheliton, Athirson e Felipe, descontando Fred e o chileno Tápia para o Cruzeiro. Existe uma semelhança entre as partidas de 2004 e a de agora. O Flamengo precisou do resultado de 2004 para escapar do rebaixamento e foi também na parte fina do campeonato, no entanto, o jogo fechou a competição e agora ele é a penúltima partida das duas equipes.

Flamengo e Cruzeiro se enfrentaram 19 vezes no estado do Rio de Janeiro pelo Campeonato Brasileiro, 18 delas no Maracanã e uma em Volta Redonda (Fla 6x2/2004). Nesses 19 confrontos no Rio de Janeiro, o Cruzeiro leve uma pequena vantagem. Foram 8 vitórias da equipe mineira, 7 vitórias do Fla e 4 empates. Já nos gols marcados, vantagem rubro-negra: 27 gols do Fla e 22 da equipe mineira.

Jogar em casa não é uma garantia de vitória nos confrontos entre Flamengo e Cruzeiro pelo Campeonato Brasileiro. Das 39 partidas realizadas entre as duas equipes, 12 terminaram com vitórias dos visitantes (o Cruzeiro venceu 8 vezes no Rio e o Fla, 4 vezes em BH). Os times da casa venceram 16 vezes, aconteceram 10 empates e uma partida em campo neutro, disputada em Vitória em 95 (Cruzeiro 2x0).

Uma partida entre Flamengo e Cruzeiro não termina empatada há 5 anos (ou 9 jogos). O último empate aconteceu no dia 25/08/05: 0x0/Mineirão.
Nos últimos 9 jogos entre as duas equipes, todas pelo camp. Brasileiro, o Cruzeiro venceu 7 vezes e o Fla duas vezes.

No cômputo geral, Flamengo e Cruzeiro se enfrentaram 72 vezes, com vantagem mineira. Foram 28 vitórias do Cruzeiro, 23 vitórias do Fla e 21 empates, 96 gols da equipe carioca e 100 da equipe mineira.

A primeira vez que Cruzeiro e Flamengo e se enfrentaram foi há 87 anos.
No dia 23/09/23, as duas equipes empataram em 3x3 em amistoso que marcava a inauguração do estádio do Cruzeiro em Belo Horizonte.
Vale lembrar que na oportunidade, a equipe mineira ainda era chamada de Palestra Itália.


Os maiores placares da história do confronto entre Flamengo e Cruzeiro são: Cruzeiro 6x2 (amistoso em BH em 1966) e Fla 6x2 (Brasileiro 2004 em Volta Redonda).

A decisão da Copa do Brasil 2003 foi o grande momento do clássico entre Cruzeiro e Flamengo. Na oportunidade, a equipe mineira sagrou-se campeã pela 4ª vez da competição.
Na partida de ida no Maracanã (08/06/03), empate em 1x1, gols de Alex e Fernando Baiano. No Mineirão (11/06), vitória cruzeirense por 3x1, gols de Deivid, Aristizábal e Luisão, descontando Fernando Baiano para o Fla.


Esta é a 19ª partida do Flamengo como mandante neste campeonato. Jogando em casa, o Fla somou 27 de seus 54 pontos, com 5 vitórias, 9 empates e 3 derrotas (1x2 Goiás; 1x3 Palmeiras; 0x1 Atlético PR), marcou 23 gols e sofreu 17. O aproveitamento do Flamengo em casa é de 50%.

Com 27 pontos conquistados em casa, o Flamengo é a 5ª equipe com pior desempenho como mandante. Apenas Atlético GO (26), Atlético MG (25), Prudente (20) e Goiás (19), tem uma campanha inferior ao Fla como mandante.


O Cruzeiro atuou 18 vezes como visitante neste Brasileiro e somou 28 pontos, com 8 vitórias, 4 empates e 6 derrotas, 24 gols marcados e 22 sofridos. O Cruzeiro tem aproveitamento de 51,8% atuando fora de casa, o melhor da competição.
- O Cruzeiro é a equipe que mais pontuou atuando como visitante. Foram 28 pontos conquistados fora de casa na competição

Nos seus últimos 6 jogos, o Flamengo conquistou apenas 6 pontos (1v/3e/2d): 1x1 Vasco; 1x1 Corinthians; 2x2 Ceará; 0x1 Atlético PR; 1x4 Atlético MG e 2x1 Guarani.

Já o Cruzeiro não empata uma partida há quase 2 meses (ou 9 jogos). Seu último empate aconteceu no dia 02/10: 0x0 Atlético PR, em Sete Lagoas. Nos seus últimos 9 jogos, o Cruzeiro obteve 5 vitórias e 4 derrotas.

O Flamengo já disputou 22 partidas em Volta Redonda na história dos Brasileiros, obtendo 9 vitórias, 7 empates e 6 derrotas, com 35 gols pró 22 contra.


Com 36 gols sofridos, o Cruzeiro tem a 2ª melhor defesa da competição, atrás apenas do Fluminense, que sofreu 35 gols. Com 18 vitórias, o Cruzeiro é a equipe que mais venceu neste Brasileiro 2010, ao lado de Fluminense e Corinthians.

Já o Flamengo, com 9 vitórias na competição, é a 4ª equipe que menos venceu neste Brasileiro, ao lado do Vitória e a frente apenas do Guarani e Goiás (8 vitórias cada um ) e Prudente (7 vitórias).

Com 16 empates, o Fla, é ao lado do Vasco e Ceará, a 2ª equipe que mais empatou neste Brasileiro 2010. O Botafogo (17 empates) é a equipe que mais empatou na competição.


Prováveis equipes

Flamengo- Marcelo Lomba, Léo Moura, Wellinton, Ronaldo Angelim e Juan; Maldonado, Willians, Kléberson, Renato e Marquinhos; Diogo. Técnico Vanderley Luxemburgo.

Cruzeiro- Fábio, Jonathan, Gil, Léo e Diego Renan; Marquinhos Paraná, Henrique, Roger e Montillo; Thiago Ribeiro e Wellington Paulista. Técnico Cuca.


Esboço

O Flamengo deve jogar com Marquinhos e Renato auxiliando Diogo. Existe uma proteção no meio feita por Maldonado, Willians e Kléberson.
Os laterais podem ter mais liberdade.

O Cruzeiro deve ser um time de bom toque de bola pelo meio.
Paraná protege a defesa e Henrique faz dupla função.
Roger e Montillo são meias de boa técnica.
Thiago Ribeiro é o atacante de lado de campo e Wellington Paulista joga mais centralizado.

Pré jogo de Corinthians x Vasco

Todos os jogos da penúltima rodada do Brasileirão serão realizados no mesmo horário.
Corinthians e Vasco são equipes com aspirações diferentes.
O Corinthians ainda disputa o título e nunca teve classificação pior que o 3° lugar na tabela; o Vasco oscila entre o 8° e o 14° lugares desde a 13° rodada.

Confronto direto

Total de jogos - 41
Vitórias - Corinthians 11
Empates - 17
Vitórias - Vasco 13
Gols do Corinthians - 43
Gols do Vasco - 52


O último confronto entre as duas equipes foi também pelo campeonato brasileiro.
Em São Januário, no dia 13 de outubro, o Vasco bateu a equipe do Corinthians por 2 x 0.
Zé Roberto e Éder Luís marcaram os gols ainda no primeiro tempo de jogo.
Fábio Carille foi o técnico do Corinthians, em substituição a Adilson Batista.

O Brasileirão 2010 teve apenas quatro equipes na liderança ao longo de 36 rodadas: Fluminense foi líder em 21 rodadas; Corinthians 12 rodadas, Cruzeiro duas rodadas e Avaí uma rodada.

O Corinthians não perde há sete jogos. A última derrota foi contra o próprio o Vasco, em jogo que era para ser realizado no turno e foi adiado em função das comemorações do centenário do Corinthians.

Será o sétimo jogo de Tite à frente do Corinthians.

O Vasco obteve apenas uma vitória nas últimas sete rodadas. O time somou 5 pontos dos últimos 21 disputados.
O Vasco possui a terceira pior campanha do returno, à frente apenas de Grêmio Prudente e Guarani.

O Vasco não perde para o Corinthians há 4 anos ou 6 jogos.
A última derrota foi pela Copa Sul-Americana em 2006, no Canindé, por 3 x 1.
Após a derrota, os dois times se enfrentaram mais 6 vezes.
Foram 3 vitórias do Vasco e mais 3 empates.

Pelo Brasileiro, o Corinthians derrotou o Vasco pela última vez em 2006. A vitória corintiana foi em São Januário, por 4 x 2. Rafael Moura (duas vezes), Carlos Alberto e Marcelo Mattos marcaram e Ramon e Valdiran diminuiram.

Pelo Brasileiro, Corinthians e Vasco não enfrentam em São Paulo desde 2007, quando o Vasco venceu por 1 x 0, gol de Alan Kardec.
Em 2008 o Corinthians disputou a Série B e em 2009 foi o Vasco que caiu para a segunda divisão.

Ano passado Corinthians e Vasco fizeram uma semifinal da Copa do Brasil. O Corinthians chegou à final com dois empates e foi campeão vencendo a equipe do Internacional.

O desempenho do Corinthians no Pacaembu em 2010 é altamente positivo.
Foram 31 jogos, com 24 vitórias, cinco empates e apenas duas derrotas.
O Corinthians sofreu 25 gols e fez 66, jogando no Pacaembu em 2010.

O Vasco não vence como visitante há quase três meses, quando conseguiu a façanha de bater o Ceará, em Fortaleza, por 2 x 0. Nas últimas oito partidas como visitante, o Vasco obteve dois empates e seis derrotas.

Somando todos os jogos disputados entre Corinthians e Vasco, as duas equipes se enfrentaram 100 vezes. Foram 37 vitórias do Corinthians e 35 do Vasco. As duas equipes empataram 28 vezes. O Vasco fez 149 gols e sofreu 137.

A maior goleada do confronto foi pelo Brasileiro de 80, quando o Vasco venceu por 5 x 2, no Maracanã. Roberto Dinamite marcou todos os gols da vitória vascaína.
A maior vitória corintiana ocorreu em 2006. O Corinthians venceu por 4 x 2.

A partida mais importante entre Corinthians e Vasco foi em 14/01/2000, no Maracanã, na decisão do I Mundial de Clubes da FIFA. O jogo foi decidido nos pênaltis e o Corinthians foi o campeão.

Prováveis equipes

Corinthians - Júlio César, Alessandro, Chicão, Willian e Roberto Carlos; Ralf, Jucilei, Danilo e Bruno César; Dentinho e Jorge Henrique. Técnico Tite.

Vasco - Fernando Prass, Fagner, Dedé, Douglas e Ramon; Renato Augusto, Rômulo, Alan e Carlos Alberto; Zé Roberto e Éder Luís. Técnico Paulo César Gusmão.

Esboço
O ataque corintiano não apresenta a figura do homem de área. Dentinho e Jorge Henrique são jogadores de lado de campo, que se miovimentam muito e até voltam bastante para marcar.
Sem Elias, Danilo e Jucilei fazem as funções laterais do setor de meio campo e Ralf e Bruno César atuam mais centralizados. Ralf dá segurança ao sistema defensivo e Bruno César é o meio campista mais adiantado da equipe.

O Vasco é um time de boa técnica e velocidade no ataque. Éder Luís e Zé Roberto devem procurar espacar da marcação pelo meio e vão procurar jogar enm cima dos zagueiros corintianos.
Carlos Alberto, que já foi jogador do Corinthians, é o meio campista mais adiantado do Vasco.
Alan desgarra da marcação e deve buscar a função de apoio ofensivo pelo meio.

O América subiu


Erro de planejamento? Talvez.
O certo é que antes de a competição começar, nem a direção do Coelho apontava o time como candidato a vaga na Primeira de 2011.
O América acabara de sair precocemente do Mineiro e ainda perdia Danilo para o Santos.
A base campeã da Série C estava mantida, mas seria suficiente?
Ainda pesava o fechamento do Estádio Independência e a necessidade de mandar os jogos em Sete Lagoas.
O cenário não era bonito, mas o Coelho contrariou todas as teorias e subiu.
Quem, como eu, afirmava ser difícil um colegiado ter comando claro e definido, vai ser obrigado a rever conceitos.
Ainda mais depois de ouvir a entrevista do técnico Mauro Fernandes.
Mauro disse que em nenhum momento teve problemas disciplinares no grupo americano.
Conversei algumas vezes com diretores do América e a satisfação pela campanha só cedia espaço para o temor de ver o time não se estruturar para se manter na Primeira no ano de centenário, 2012.
A tarefa não é das mais fáceis, no entanto, para quem não planejou subir e subiu, basta planejar se manter e cumprir etapa por etapa o planejado.
De onde tirar o Coelho tem.
O Shopping ajuda, os patrocinadores e parceiros ajudam e a televisão prporcionará uma cota ainda maior.
Um time que já revelou Tostão, Gilberto Silva, Euller, Palhinha, Ronaldo Luís, Fred, Wágner e agora o jovem Danilo, sabe que pode olhar para a base e de lá tirar talento e sustento.

Foto de Rodrigo Fuscaldi - Globoesporte.com

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

SUPER de domingo

A coluna do SUPER de domingo tem que ser enviada até sexta.
Por isso não falei nada do último classificado da Série B.
Pode ser o América, vamos ver se o auxiliar Rodrigo Jóia deixa.


Cuca e Dorival


Poderia ter sido diferente.
O Cruzeiro poderia ter chances mais claras de título.
Poderia estar na situação do Fluminense e hoje poderia ser um dia de euforia e não de olhares divididos entre ganhar e torcer contra os rivais de Fluminense e Corinthians.
Entretanto, poderia ter sido pior também.
A transição de Adilson para Cuca poderia ter sido traumática.
O time chegou a perder alguns pontos bobos, mas se encontrou rápido e o treinador trabalhou muito bem.
A vida do Atlético também poderia ter sido outra em 2010. Treinador renomado, CT elogiado, possibilidades de boas contratações compunham um cenário bem interessante. O time poderia ter conquistado a Copa do Brasil e ter feito uma campanha sólida no Brasileiro. No entanto, hoje é um dia de apreensão.
O grito pode estar perto da garganta, mas não será de título e sim de alívio. Se Dorival não tivesse assumido, creio que poderia ser bem pior também.
O caminho que o Galo seguia era de rebaixamento certo.
Com jeito manso e Renan no gol, Dorival reescreveu a história que parecia ser trágica.
Se Atlético e Cruzeiro ainda não deram a alegria que seus torcedores merecem, é importante destacar que não foi por falta de comando técnico.
Cuca e Dorival mostraram claramente que estão acima da média nacional.


Campeão- É muito difícil o Fluminense perder o título. O time é melhor que o Palmeiras e encerra contra o fraco Guarani em casa. Alguém pode se lembrar da dívida histórica que o Flu tem por ter subido da Terceira para a Primeira. Mas ninguém pode deixar de falar do que Conca fez no campeonato. O baixinho argentino carregou o time nas costas.


Conca - Os badalados companheiros de ataque lotavam o departamento médico e Conca resolvia as partidas. O incrível foi constatar que a própria torcida do Fluminense demorou a se convencer do poder do argentino. Várias vezes Conca foi acusado de não ser decisivo. Outros insistem em dizer que ele é tímido. Na minha visão, Conca só não conseguiu agradar a quem birra com argentinos. É preciso saber elogiar quem merece.


Estaduais- Em janeiro os estaduais começam e com eles vários discursos diferentes. Um argumento repetido muitas vezes é o de que os campeonatos estaduais não revelam mais ninguém. É necessário repensar a ladainha. Bruno César, Danilo(Ex-América), Ralf, Rodriguinho, Branquinho, Paulinho e Leandro Damião(que disputou o Gaúcho pelo Inter B) eram desconhecidos e são jogadores importantes no Brasileirão.

Ponte Lusa x América? Nem tudo que reluz é JÓIA

A última partida da Segundona vale muito para Portuguesa e América.
A Lusa vai a Recife e pega o desanimado Sport.
Heber Roberto Lopes apita o jogo.
Os auxiliares são José Amilton Pontarolo e Ivan Carlos Bohn.
O América tem a tarefa de empatar com a Ponte Preta, que pode até buscar defender São Paulo e classificar a Lusa.
A Ponte nada disputa. Talvez busque uma graninha de uma suposta mala branca.
O América precisa facilitar a sua parte.
O que me assusta um pouco é a indicação do trio de arbitragem.
Nem tanto o trio, mas um auxiliar.
Nem o conheço, mas já ouvi relatos de atuações fracas.
Olho nele! Rodrigo Pereira Jóia não é tão jóia assim.

Rodada 37 - Só falta uma

A rodada 37 está toda marcada para domingo.
O jogo principal é Palmeiras x Fluminense. As duas equipes somaram 115 pontos.
O jogo que reúne o menor número de pontos é Atlético x Goiás, com 74 pontos.
Goiás e Prudente já se foram.
Fluminense, Corinthians e Cruzeiro estão na luta pelo título.
Grêmio, Atlético PR e Botafogo disputam a quarta vaga para a Libertadores.
Flamengo, Atlético, Atlético GO, Avaí, Vitória e Guarani tentam escapar do rebaixamento.

Internacional x Vitória
São 94 pontos em campo. O Inter se despede de sua torcida e, ao menos no discurso, quer deixar uma boa impressão para a disputa do Mundial. O Vitória vive o desespero de lutar contra o rebaixamento, jogando fora de casa.
Sálvio Spinola Fagundes apita o jogo.
Os auxiliares serão Roberto Braatz e José Carlos Dias Passos.
Quem havia sido escalado para o jogo como auxiliar 2 era João Antônio de Paulo Neto, entretanto, a mãe dele morreu e ele foi substituído.

Atlético x Goiás
O jogo com o menor número de pontos da rodada, pode marcar a permanência do Galo na primeira divisão. É o último jogo do Atlético na nova casa, a Arena do Jacaré.
O técnico Dorival Júnior pode superar o número de pontos conquistados por Vanderley Luxemburgo tendo disputado a metade dos jogos.
O Goiás vive o êxtase de disputar a final da Sul-Americana, mas deve poupar vários jogadores titulares.
O paulista Guilherme Cereta de Lima apita.
Marcelo Carvalho Van Gasse e Márcio Luiz Augusto são os auxiliares.

Avaí x Santos
Sandro Meira Ricci apita e Márcia B. Lopes Caetano e Gilson Bento Moutinho auxiliam.
Márcia é a única mulher da arbitragem que trabalha na rodada.
São 95 pontos em campo.
O Avaí eliminou a equipe do Santos da Sul-Americana, mas vive o drama de estar muito perto da zona de rebaixamento.
O Santos não corre risco de nada e Neymar ainda disputa a artilharia da competição.

Guarani x Grêmio
São 94 pontos em campo.
O Guarani não sabe o que é vencer e o Grêmio tem a melhor campanha do returno, jogando bem fora de casa.
Vagner Mancini, técnico do Guarani, foi demitido do Grêmio há dois anos, e tem que vencer para manter o time na elite.
A vitória vale muito para o Grêmio, que pode ser o dono de uma possível quarta vaga da Libertadores.
Nielson Nogueira Dias apita e Jossemar Moutinho e José Pedro Wanderley auxiliam.


Ceará x Atlético PR
São 100 pontos em campo.
O Ceará se despede da sua torcida e tem o forte calor jogando ao seu lado.
O Atlético PR disputa a possibilidade de chegar ao quarto lugar.
Luiz Flávio de Oliveira apita e Ednilson Corona e João Bourgalber auxiliam.
Os jogadores do Atlético deram várias entrevistas citando o forte calor de Fortaleza, mas o Ceará não deve ser visto apenas como um time que joga com o calor.
A equipe só perdeu uma vez em casa em toda a competição.

Botafogo x Grêmio Prudente
84 pontos em campo.
O rebaixado Prudente vai ao Rio encarar a equipe que menos perdeu.
O Botafogo precisa da vitória para chegar aos 59 pontos.
Quem apita é o goiano André Luiz de Freitas Castro.
Ele será auxiliado por Cristhian Passos Sorence e Fabrício Vilarinho da Silva.
O Grêmio Prudente ainda "corre o risco" de não o último colocado da competição.
Para que isso aconteça, a equipe precisa vencer seus dois jogos e torcer contra o Goiás.

Corinthians x Vasco
São 110 pontos em campo.
A disputa pelo título X um time que não quer mais nada.
A última derrota do Corinthians foi contra o mesmo Vasco, em um jogo do turno que foi disputado fora da data.
Márcio Chagas da Silva apita o jogo.
Carlos Berkenbrock e Marcelo Bertanha Barison auxiliam.


Atlético GO x São Paulo
Carlos Eugênio Simon apita. Paulo Ricardo Silva Conceição e José Javel Silveira.
O São Paulo já deixou de olhar para o campeonato e o Atlético Go precisa da vitória para permanecer na Primeira.
São 91 pontos em campo.

Palmeiras x Fluminense
O maior jogo da rodada. São 115 pontos em campo.
O Palmeiras não tem pretensão alguma na competição e o Fluminense pode até ser campeão na rodada.
Wilton Pereira Sampaio apita o jogo.
Marrubson Melo Freitas e César Augusto de Oliveira serão os auxiliares.
O Fluminense volta a jogar em Barueri e de novo contra um rival do Corinthians.
Para o Palmeiras a partida será apenas mais uma partida e uma oportunidade de lembrar da eliminação da Sul-Americana.

Flamengo x Cruzeiro
Em Volta Redonda.
Luxemburgo reencontra o Cruzeiro, não conseguiu vencer no Estadual e nem no Brasileiro.
Para o Flamengo o jogo vale a permanência na Primeira e para o Cruzeiro, vale manter a caminhada rumo ao título.
São 106 pontos em campo.
Leandro Pedro Vuaden apita.
Altemir Haussman e Júlio César Rodrigues Santos são os bandeiras.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Parabéns, Xabi!

Ano passado Gerrard apontou a saída de Xabi Alonso como um dos fatores mais fortes para a queda de rendimento do Liverpool.
Xabi Alonso é altamente técnico.
Marca e sai para o jogo com muita facilidade.
Chega a ser feio falar que ele é um volante.
Xabi sabe ser volante destruidor, mas tem em sua alta qualidade técnica e na qualidade do passe as principais características de seu futebol.
Se existe um modelo a ser seguido de volante elegante no jogar, o ideal é seguir Xabi Alonso.
Mas, se toda a técnica não for suficiente, Xabi bate na bola como poucos.
Campeão com a Espanha e jogando bem com o Real, Xabi Alonso comemora 29 anos em mais um ótimo momento.
Segunda ele entra em campo para receber o rival Barcelona.
Jardel já diria que clássico é clássico, mas o atual Real mete medo no ótimo Barça.

Vale a pena ver Xabi em ação.
Desarme, cabeça erguida e batida na bola.


Coluna de O TEMPO de 26/11

Ainda bem que é futebol

Antes de a bola rolar no jogo entre Palmeiras e Goiás, me perguntaram na transmissão quem deveria ganhar o jogo.
Quase devolvi a pergunta, afinal de contas a resposta seria mediana, mas minha função é responder e construir alicerces para a resposta.
Fui enfático. A vitória deveria ser do Palmeiras.
O time de Felipão nunca jogou bonito, mas sempre vendeu caro seus resultados.
Se o meio não construía, ao menos os adversários tinham muita dificuldade de escapar da destruição do Palmeiras. Mais que isso, a fase de Marcos Assunção permitia acreditar que, de uma hora para a outra, um chute longo poderia resolver o jogo. Eram alicerces, argumentos.
Com a bola rolando, o comentarista não deve morrer abraçado a uma argumentação de antes do jogo. O jogo é vivo, dinâmico.
A falta de bola e de espaço já serviam para pontuar que o Palmeiras jogava menos e que o Goiás crescia.
O compromisso que o comentarista deve ter não é com seus alicerces previamente construídos.
O compromisso é com a verdade que seus olhos viam. O Goiás passou e pode até chegar. Vai longe em uma possível Libertadores? Fatalmente, não. O time terá menos recursos e não tem status de copeiro.

Atlético- Os números de Dorival Júnior são muito bons e o trabalho dele é melhor ainda. Taticamente ele ajeitou a equipe. Promoveu a entrada de Renan Ribeiro e fez o time vibrar mais que antes. Entretanto, a maior contribuição que Dorival deu não está em campo. O treinador do Atlético promoveu uma substituição no ambiente. A arrogância saiu e entrou o tato.

Cruzeiro- A tarefa é das mais difíceis. Jogar contra um Flamengo desesperado não é agradável. Cuca vai precisar ser estrategista e ele sabe ser. Se o Cruzeiro repetir o jogo que fez contra o Corinthians, a vitória é bem possível. O Cruzeiro é mais maduro, mais técnico, mais sólido, mais time. É mais fácil o Flamengo temer o Cruzeiro que o contrário.

América- Chegou a hora! Poderia ser mais tranqüilo, mas não foi. O América não deve deixar a Ponte respirar. É preciso impactar. Deixar o resultado surgir, é perigoso. O que falam é que a Ponte vai receber uma senhora mala branca, o que pode dificultar ainda mais. Não creio que a Portuguesa tenha tanto time para ganhar fácil do Sport, mas o resultado é possível.

Estaduais- Está na hora de rever o discurso. Aquele papo de que os estaduais não revelam ninguém já pode ser revisto. Rodriguinho, Ralf, Branquinho, Bruno César, Danilo e Leandro Damião foram revelados nos estaduais de 2010. Concordo que são longos, mas podem ser úteis também. Basta parar de reclamar e começar a observar.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Com garra, deu Goiás.

O Palmeiras não construiu a campanha da Sul-Americana com brilhantismo.
A opção era primeiro pela destruição.
A falta da construção, da elaboração das jogadas pesou.
O técnico Felipão errou novamente.
Optou por ver Lincoln adiantado e longe da área de criação.
Dividiu o campo entre defesa e ataque.
Sem meio, só Tinga de destacava.
O Palmeiras conseguiu ampliar a vantagem.
Edinho achou um ótimo lançamento para Luan abrir o placar.
O Goiás ensaiou sair para o jogo e fez um gol no final do primeiro tempo.
Marcelo Costa bateu falta na trave.
Na sobra da bola, Carlos Alberto fez o empate.
O segundo tempo foi todo do Goiás.
O Palmeiras deu apenas um chute a gol após o intervalo.
O Goiás cresceu e levou o Palmeiras a jogar defensivamente.
Kléber deu um chute errado aos 29 do segundo.
Era a única oportunidade do time.
Aos 37, Marcão lembrou de seus tempos de lateral e cruzou.
A bola passou pela área e Ernando concluiu para o gol.
O que era de se esperar?
Um Palmeiras pressionando, atacando, marcando a saída do Goiás?
Nada disso!
O jogo acabou.
O Goiás venceu e mereceu vencer.
A responsabilidade era do Palmeiras, que não soube conviver com ela.
Não soube nem jogar bola.
O Goiás só havia vencido o Palmeiras em São Paulo duas vezes e venceu na hora certa.

Zé Luis revelou o segredo de Dorival

Cada dia que passa fico mais impressionado com o trabalho de Dorival Júnior e com o que tenho ouvido a respeito do "trabalho" de Luxemburgo.
Dando uma olhada na Tv Galo ouvi atentamente a entrevista do volante Zé Luis.
As perguntas giravam em torno do atual momento e da possibilidade de alívio.
Zé Luis assegurou que a mudança de comando foi importante e não parou por aí.
Ele disse que Dorival Júnior chegou e "não xingou ninguém, sem palavrões" tomou conta do ambiente.
Engraçado é que o ambiente da bola é recheado de palavrões.
Em qualquer pelada o que se ouve é xingamento, entretanto, é preciso saber o que falar e a hora de falar.
Luxemburgo não mudou seus métodos.
No Flamengo, suas entrevistas são editadas diariamente.
O resultado pode aparacer por algum tempo, mas nao se sustenta mais.
A era é outra.
O tempo passou.
Outro ponto importante na coletiva de Ze Luis foi quando ele falou que agora o time tem padrão e todos sabem qual é a base da equipe.
Dorival usou de simplicidade e respeito.
Fórmula simples para quem não é arrogante.

Pré de Palmeiras x Goiás

O Pacaembu deve estar lotado para receber o jogo da volta entre Palmeiras e Goiás.
Na primeira partida, no Serra Dourada, deu Palmeiras, por 1 x 0.
O cenário mostra um Goiás jogando pela honra.
O time está com sérios problemas financeiras e já foi rebaixado no Brasileiro.
O Palmeiras joga o ano.
O time deixou o Brasileiro de lado e apostou na Sul-Americana.
A conquista do torneio leva o Palmeiras a mais uma Libertadores.

Números
Foram 43 jogos entre os dois.
O Palmeiras venceu 24 e perdeu 10.
Nove partidas terminaram empatadas.
O ataque palmeirense fez 69 gols e o Goiás fez 47.

Jogando em São Paulo a diferença é gritante.
Foram 19 jogos, com 15 vitórias do Palmeiras, dois empates e duas derrotas.
As únicas vitórias foram em 2004 e 2006.

Campeões

A Copa Sul-Americana foi realizada pela primeira vez em 2002 e não teve brasileiros participando.
Os campeões foram:
2002- San Lorenzo
2003- Cienciano (Peru)
2004- Boca Juniors
2005- Boca Juniors
2006- Pachuca
2007- Arsenal
2008- Internacional
2009- LDU

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Dorival x Luxa. Pobre Luxa!

É certo que o currículo do técnico Vanderley Luxemburgo é recheado de títulos e glórias.
A conta bancária dele deve ser melhor que a de Dorival.
Mas quando a hipotética disputa vai para o desempenho do ano, Dorival humilha Vanderley.
O ano começou com Dorival mandando um time de meninos a campo.
Um tal de Neymar e um certo Paulo Henrique, que depois passou a ser conhecido por Ganso, mostravam que tinham muita bola e deveriam fazer sucesso.
Chamava a atenção a estrutura tática da equipe.
Rodrigo Mancha e Brum foram perdendo espaço.
Aos poucos o "impossível" foi tomando cara.
Os volantes sabiam jogar e saíam para o jogo.
Wesley e Arouca deram toda a cara de time forte ao Peixe.

Luxemburgo começou trabalhando forte.
Investiu em um time ofensivo e almejou jogar com três atacantes.
A fase de classificação do Mineiro não foi nenhum sucesso.
Mas as entrevistas eram.
Vanderley deu palestras.
Lançou camisa nova.
Anunciou um projeto vencedor.
O time vencia, mas mostrava um espaço enorme no meio.
Cheguei a rotular o Galo como time Flash Gordon, pelo excessivo espaço que dava pelo meio.
O Galo era o "Rei do Espaço".

Dorival conquistou o título paulista e o Luxemburgo foi campeão mineiro.
Os dois se encontraram na Copa do Brasil e deu Dorival no segundo jogo.
Era a senha.
Passando pelo Galo, o Santos derrubou o Grêmio e foi campeão após ganhar do Vitória.

Dorival não teve medo de lançar jovens talentos.
Ele se rendeu e fez a arte entrar em campo.
Luxemburgo custou para lançar Geovane.
Deu uma oportunidade a Wendel.
Fez João Pedro jogar e o cofre do Galo agradeceu a venda que veio em pouco tempo.
O cofre do Santos agradeceu muito a saída de Wesley e Neymar é o atleta mais valorizado do Brasil.

O tempo passou e o Santos, mesmo já tendo vaga na Libertadores, disputava o Brasileiro para ganhar.
O Galo, envolvido em projetos, pães, manteigas, fome, arbitragens e sem brilho, lutou para não cair.
Luxa saiu e deixou o time na zona de rebaixamento.
Ele disputou 24 jogos no Brasileiro e conquistou 21 pontos.

Dorival saiu do Santos.
Muito mais por fatores externos que pelos pontos obtidos na tabela.
Ele chegou ao Galo e deu nova cara.
Não recorreu ao discurso.
Nunca falou de projetos mirabolantes.
Foi simples, sincero e objetivo.
O planejamento sempre foi apenas o próximo jogo.
Hoje o Galo não está na zona de rebaixamento e tem tudo para escapar na próxima rodada.
O atual treinador disputou 12 jogos do Brasileirão com o Galo.
Exatamente a metade do que disputou o treinador anterior.
O Galo dirigido por Dorival conquistou 21 pontos.
O mesmo número de pontos com a metade dos jogos.

A constatação matemática é óbvia.
A constatação técnica é evidente.
Como se não bastasse, o sorriso dos jogadores já voltou.
Dorival caminha sem holofotes.
Luxa só caminha com holofotes.
Dorival não discursa, trabalha.
Luxa prefere o discurso e o confronto.

Perguntado pelo repórter da TV Globo, Josino Ribeiro, sobre o desempenho ridículo do time, Luxemburgo saiu com uma ameaça em rede nacional.
O estratégia óbvia era a da intimidação.
Outro repórter perguntou sobre a utilização dos jovens valores e Luxa falou que ia pegar o repórter na curva.
O que ele não percebeu é que a curva só surgia para ele.
Dorival preferiu olhar nos olhos e foi reto!
Parabéns, Dorival!
Pobre Luxa!
A vitória de Dorival é vitória do ser humano.
A derrota de Luxa serve como ensinamento que o olhar altivo pouco produz.

domingo, 21 de novembro de 2010

Empate que complica

Vitória e Corinthians empataram em 1 a 1.
O jogo dava toda a pinta de ser um jogo mais aberto.
O Vitória só marcava com Ueliton e Neto Coruja e tinha dois laterais mais ofensivos.
O Corinthians sentiu o início do jogo.
O calor era intenso e o desespero baiano maior ainda.
A pressão diminiui e o Corinthians chegou ao gol.
Ronaldo achou Danilo, que bateu na saída de Viáfara - Gol!
Ueliton diminuiu o espaço de Jucilei e Elias escapava pouco.
O clima era tenso e Ralf recebeu amarelo.
O Corinthians ditava o ritmo e aparentava segurança.
Ralf bobeou e colocou a mão na bola dentro da área.
Pênalti! Simon deu, mas não expulsou Ralf.
Viáfara bateu e fez o gol de empate.

Segundo tempo

O Vitória voltou melhor, bem melhor.
O Corinthians parecia mais recuado que o normal.
A torcida empurrava e o Vitória ouviu o recado.
Como o jogo não era realizado em um só estádio (o resultado do Fluminense era importante),
o empate já não era bom para o Corinthians.
O Flu ganhava e assumia a ponta.
Tite assistia e não mexia.
O treinador chegou a chamar Willian Morais, mas esperou algo cair do céu.
Não caiu e o Corinthians ficou no empate.
O resultado poderia ser bom para o Vitória, mas o time ainda corre riscos e viu Atlético e Flamengo buscando a distância.
A emoção está garantida para as últimas rodadas, mas o Fluminense tem tudo para ser o campeão.
É importante destacar que Simon não foi bem e prejudicou a equipe do Vitória.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Santos agita a sexta

Mesmo sem preocupações no Brasileiro, o Santos fez notícia hoje.
O repórter Fabiano Farah, da Rádio Globo, apurou que o técnico Adilson Batista indicou o goleiro Fabian Carini para a disputa da Libertadores.
Carini disputou o Campeonato Mineiro e perdeu posição durante o campeonato.
Outra notícia do dia é o interesse em ter Zico como gerente executivo da base santista.
Zico abre portas e traz respeito e confiabilidade.
Outra notícia é a boa recuperação de Paulo Henrique Ganso.
O Jornal Marca BR trouxe matéria de duas páginas com o craque santista.


Segue o pior momento de Carini no Atlético. Fonte: TV GALO

Rodada 36 - Chegou a hora

Faltam três!
Apenas Prudente x Ceará não vale nada.
Os outros jogos valem muito.
O maior jogo é São Paulo x Fluminense. São 113 pontos somados.
O jogo que reúne equipes que conquistaram o menor número de pontos é Prudente x Ceará.
Como a arbitragem ocupou um espaço ainda maior, na coluna de hoje, passo também a escala de árbitros.

Grêmio x Atlético PR
O jogo vale a possível quarta vaga para a Libertadores?
Além de tudo o que a tabela proporciona, Grêmio e Atlético Paranaense são rivais locais.
São 110 pontos em campo. A semana foi agitada para Renato Gaúcho, que pode renovar contrato e se envolveu muito com o assunto.
O Atlético PR trabalhou mais quieto e viu seu rival, o Coritiba, acertar com Marcelo Oliveira.
Sálvio Spinola Fagundes Filho apita e Marcelo Carvalho Van Gasse são auxiliares.

Prudente x Ceará
A direção do Prudente já pediu desculpas pelo rebaixamento, mas sem a pressão pelos resultados, o Prudente conseguiu bons resultados nas últimas rodadas. Não deve haver mala branca, já que o jogo vale quase nada.
O Ceará sabe que não vai cair. Com 45 pontos o time escapa. Alguns matemáticos ainda alertam para a necessidade de o Ceará conquistar mais um ponto.
São 72 pontos em campo.
O goiano Elmo Alves Resende Cunha apita e Cristhian Passos e Fabrício Vilarinho, também goianos, são os auxiliares.

Flamengo x Guarani
Wilton Pereira Sampaio apita e César Augusto de Oliveira e João Antônio Sousa Paulo Neto são os bandeiras.
Os dois times somaram 77 pontos.
A luta é grande para escapar da zona de rebaixamento.
O Flamengo sabe que precisa do resultado e o Guarani parece sentir o abatimento.
Vanderley Luxemburgo tem sido mais questionado e Mancini corre muito risco.

São Paulo x Fluminense
O maior jogo da rodada. São 113 pontos em campo.
Entretanto, o São Paulo não deve ir a lugar algum e vai jogar bastante desfalcado.
As ausências acendem a rivalidade. A torcida quer que o adversário, Fluminense, vença a partida. A vitória carioca dificulta a vida do Corinthians.
O Fluminense não está dando espetáculo, mas se sustenta na ponta.
O jogo marca o reencontro de Muricy com o São Paulo.
Héber Roberto Lopes, Gilson Bento Moutinho e José Amilton Pontarolo apitam o jogo.

Botafogo x Inter
São 107 pontos em campo.
O Inter não tem cabeça para o Brasileiro. O time só pensa no Mundial.
Já o Botafogo precisa vencer.
O time de Joel Santana conta com um empate entre Grêmio e Atlético Pr e precisa vencer para ser o quarto colocado novamente.
Ricardo Marques Ribeiro apita.
Helberth Costa Andrade e Janette Mara Arcanjo são os auxiliares.
Janette Mara é a única assistente mulher que trabalha na rodada.

Palmeiras x Atlético MG
89 pontos em campo.
O Palmeiras, de olho na Sul-Americana, vai com os reservas.
O Galo vai com tudo.
Os números de Dorival Júnior são excelentes.
Uma vitória alvinegra pode valer muito. Talvez até garanta a permanência na Primeira.
O jogo será em Araraquara, terra do treinador Dorival Júnior.
A mudança de mando de campo pode até favorecer ao Palmeiras.
A torcida do interior, já distante da equipe, deve comparecer para incentivar a meninada reserva do Palmeiras.
Márcio Chagas da Silva, que já apitou a vitória do Galo sobre o Flamengo, apita de novo.
Roberto Braatz, que trabalhou no jogo do Palmeiras na quarta-feira, pela Sul-Americana, volta a trabalhar em um jogo do Palmeiras.
O outro auxiliar é José Antônio Chaves Franco Filho.

Vitória x Corinthians
São 102 pontos em campo.
O Vitória segue a luta contra o rebaixamento e já sabe que o rival subiu.
O Corinthians de Tite é mais consistente na defesa, mas finaliza pouco.
Deve finalizar ainda menos. Sem Bruno César e Dentinho, o time perde em ofensividade.
Carlos Eugênio Simon, Altemir Hausmann e Júlio César Rodrigues Santos são o trio de arbitragem.
O jogo vale muito nas duas pontas da tabela.

Avaí x Atlético Go
São 77 pontos em campo.
Muito desespero também. O Avaí corre risco e sofre a pressão de ver o rival Figueirense comemorar o acesso.
O Atlético Go pode escapar da degola e, por outro lado, sabe que seu rival já caiu.
Evandro Roman, Ednilson Corona e Emerson Augusto de Carvalho apitam.

Goiás x Santos

Apatia.
O Goiás já caiu na real e sabe que a permanência na Primeira é quase impossível.
O Santos está treinando e nada mais.
São 86 pontos em campo.
Marcelo de Lima Henrique apita.
Dibert Pedrosa e Rodrigo Jóia são os bandeiras.

Cruzeiro x Vasco
O Cruzeiro pode dar o salto da rodada.
O time tem tudo para vencer e chegar ao número de pontos do Corinthians.
A revolta da última rodada pode ser mais um combustível.
O Vasco, dirigido por PC Gusmão, que um dia foi técnico do Cruzeiro, tem pouco interesse na competição.
A Arena do Jacaré volta a ser a casa do Cruzeiro. Lá a torcida fica mais próxima e até quinta-feira já haviam sido vendidos 9 mil ingressos.
São 106 pontos em campo.
Leandro Vuaden apita e será auxiliado por Carlos Berkenbrock e José Javel Silveira.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Marcelo Oliveira no lugar de Ney Franco

Marcelo Oliveira segurou um sufoco imenso em 2008.
O que era para ser o ano de comemoração e de festas do centenário do Atlético se tornou um ano de muita confusão, dívidas e muitos sustos.
Sobrou para quem? Sobrou para Marcelo Oliveira.
Ele, que era técnico do Júnior, assumiu a equipe principal e encarou a tarefa de livrar o time do rebaixamento.
O cenário só complicava a vida de Marcelo.
O presidente brigou com a torcida.
A torcida parou de ir ao estádio.
O presidente foi retirado do cargo.
Os salários não eram pagos.
O time não pontuava.
Os jogadores não gostavam do ambiente.
O Conselho deliberativo se afasta.
Um ex-presidente decide assumir.
O ex-presidente faz a opção pelo patrulhamento.
E, ainda assim, Marcelo Oliveira conseguiu fazer o time jogar.
O ápice foi a vitória sobre o Flamengo, no Maracanã, por 3 a 0.
Agora Marcelo Oliveira assume mais um desafio em sua carreira.
Com jeito simples e fala mansa, Marcelo foi anunciado como futuro técnico do Coritiba.
Ele entra e sai Ney Franco.
Os estilos são parecidos.
Ambos se doaram nas categorias de base e ambos gostam de analisar seus adversários.
Marcelo faz bem ao futebol.

Momento do Esporte de amanhã

Mais uma vez tenho a honra de gravar o "Momento do Esporte".
Está aqui o que vai para o ar.


Rodada pesada para o líder e boa para o Cruzeiro

Dos três candidatos ao título, o Cruzeiro parece ter a tarefa mais tranqüila.
De volta a Sete Lagoas, o time de Cuca recebe o Vasco, que já não corre risco algum e não vai a lugar nenhum.
O argentino Montillo não treinou, mas se treinar hoje deve ir para o jogo.
O São Paulo recebe o Fluminense. Os desfalques do time do Tricolor paulista podem facilitar a vida de Muricy.
Já o Corinthians... O Corinthians tem o confronto mais difícil. Joga contra um Vitória desesperado, em um Barradão lotado e com desfalques importantes como por exemplo Bruno César, o artilheiro do time, com 13 gols.
Grêmio e Atlético Paranaense travam uma disputa direta pela quarta vaga para a Libertadores, quem bobear pode perder espaço para o Botafogo, que recebe o desmotivado Inter.
A rodada também significa muito para a turma da parte de baixo da tabela.
Como só faltam três rodadas para o fim, qualquer deslize pode ser decisivo.
Se fôssemos comparar os jogos dos líderes, daria para apostar que o Cruzeiro tem o jogo menos complicado e o Corinthians, o mais difícil.

Mário Marra, para o Momento do Esporte

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Noite de Sul-Americana

A equipe da Rádio CBN sai amanhã cedo de São Paulo.
Chegaremos em Goiânia para a transmissão de Goiás x Palmeiras.
A Sul-Americana não ganhou mais ou menos charme, ela ganhou o direito de disputa da Libertadores.
Ganhou um caminho mais curto, entretanto, complicado.
Quem passar pega a LDU ou o Independiente.
Parada dura!
Vejo o Palmeiras mais forte, mas não bobear.
O Goiás faz uma campanha muito boa e surpreendente.
Como são dois jogos, o que importa para o time de Felipão é não resolver a parada no primeiro jogo.
Fazer gols na casa do adversário é o grande objetivo.

Uma novidade amanhã

O Império Serrano foi campeão do carnaval carioca com um samba que ganhou o país.
Uma parte da música dizia que "passo a passo no compasso, o samba cresceu".
Passo a passo perdemos e ganhamos.
Dificilmente o inusiotado "acontece".
Normalmente as coisas vão ganhando corpo e são por nós permitidas.
Passo a passo, quero dividir o momento legal.
Amanhã faço o comentário que seria de Juca Kfouri no Jornal da CBN, com Heródoto Barbeiro.
É um comentário simples e pequeno no "Momento do Esporte", mas é um espaço novo que a mim foi confiado.
O mesmo samba faz um convite: "Vem meu amor! Manda a tristeza embora. É carnaval, é folia e nesse dia ninguém chora".
"De confete e serpentina a minha mente" se permite licenças.
O quadro vai ao ar perto das 6:40.

Brasil e Argentina será um jogo aberto?

De um lado um time com Lucas como primeiro volante e Ramires e Elias saindo para o jogo. Sem falar, é claro, em Ronaldinho, Robinho e Neymar.
Do outro, Mascherano mais fixo. Banega, Di María, Pastore e Messi atacando.
É muita gente boa com preocupação ofensiva.
Entretanto, é difícil acreditar em um Brasil e Argentina tão agudo, tão ofensivo, tão ousado.
A maior contribuição que Brasil e Argentina podem dar ao futebol é um jogo de muitos gols.
Mano não é louco e Batista era volante.
Os dois sabem que é preciso recompor, é necessário marcar.
Mas que a partida tem tudo para ser um sonho...

Quarta feira de decisão e de expectativa

Dia de amistosos importantes em todo o mundo.
No Estádio da Luz, a seleção de Portugal recebe a Espanha e em Wembley, muita rivalidade entre ingleses e franceses.
Os olhos da América se voltam para Doha, no Qatar. O mundo árabe recebe aquele que pode ser chamado de o maior clássico do futebol mundial. Mano Menezes x Batista, Messi x Ronaldinho, Neymar x Di Maria.
Brasil e Argentina vivem momentos parecidos. Ambos apostam no novo e na ofensividade.
Mano Menezes pode ter uma seleção atacando até com cinco jogadores. Batista, que foi volante da seleção, trabalhou a equipe com Pastore, Messi, Higuaín e Di Maria.
O jogo não vale três pontos, não dá vaga a nada - mas vale muito, vale a história.
À noite, o Serra Dourada, recebe um duelo de verdes pela Sul-americana.
O Goiás, praticamente rebaixado no Brasileiro e concentrado no jogo de hoje, leva alguma vantagem.
Mas Felipão é mestre nesse tipo de competição e sabe conviver com as adversidades de jogar fora de casa. Tudo o que o Goiás tem de fazer é ganhar sem sofrer gol. Para o Palmeiras, um golzinho fora de casa vale muito.

São Paulo perdeu muito tempo

Ricardo Gomes pouco ajudou à frente do São Paulo.
Ele saiu e Sérgio Baresi foi exposto ao ridículo.
Com boas ideias e sem apoio da direção, Baresi merece reconhecimento.
Na tabela ele ajudou pouco, mas na estruturação de nova equipe, Baresi foi muito importante.
Vale lembrar que o São Paulo era tido como um time de pouca bola e rígido no esquema com três zagueiros.
Observe hoje o que aconteceu.
O São Paulo mudou e pra melhor.
O time não é mais rígido no 3-5-2 e vários jogadores lançados da base estão mostrando que a chance deveria ter surgido antes.
Com Lucas, Fernnadão, Dagoberto e Ricardo Oliveira é impossível falar que o time é defensivo.
Mais que isso: Casemiro, Lucas, Lucas Gaúcho, Diogo e outros valem muito mais que alguns bondes que jogaram pelo time do Morumbi.
O São Paulo perdeu tempo e deixou de valorizar o trabalho feito em casa.
Trabalho, que normalmente dá lucro.

domingo, 14 de novembro de 2010

Clima de decisão e assunto até o fim do ano

Eram 120 pontos reunidos em campo.
O vice-líder contra o terceiro lugar.
Muita história e uma disputa intensa pelo título.
Corinthians em casa contra um Cruzeiro, que é o melhor pontuador fora de casa.
Jogo de Xadrez? Mais parecia War.
Jogo de estratégia.
O Corinthians era o titular e o Cruzeiro atuava com o melhor, sem Caçapa.
Gilberto foi ala e Paraná fez a cobertura se posicionando até como zagueiro pela esquerda.
Gil em cima do Ronaldo.
Ralf cuidava de Montillo e Thiago tentava enganar a marcação.
Wellington Paulista como referência.
Jogo de pouco espaço e poucas finalizações.
Era perceptível o tanto que as duas equipes estavam fortes, determinadas e concentradas.
Bruno César e Wellington Paulista voaram por alguns momentos.
Montillo não escapava de Ralf e o jogo fluía pelo meio.
Quando o Cruzeiro chegava, Wellington errava na finalização ou no posicionamento.
Sandro Ricci e seus auxiliares erravam em impedimentos e prejudicaram a equipe do Cruzeiro.
O segundo tempo era na mesma intensidade.
Os dois treinadores ameaçavam tentar desarrumar o esquema adversário e os espaços surgiram.
Montillo passou a arrastar Ralf para os lados e Júlio César trabalhou muito bem.
Quando tudo indicava que o Fluminense comemoraria o empate, Ronaldo sofreu carga de Gil e Sandro Ricci deu pênalti.
Para o mundo!
Eu não daria, mas foi.
Não daria porque não tive certeza na hora do lance e o árbitro não pode rever a jogada, mas Gil, que foi bem durante todo o jogo fez falta em Ronaldo.
Falta normal, que seria marcada também fora da área.
Entretanto, dentro da área, nenhuma falta é normal - Pênalti!
Ronaldo bateu e fez.
Fabrício saiu revoltado de campo.
Entendo a atitude, até elogiaria o envolvimento dele, mas não pode acontecer.
Cuca contava com ele em campo e tiraria Thiago Ribeiro e não Fabrício.
Ainda restavam parcos 3 minutos, mas poderia acontecer...não aconteceu.

O Corinthians segue firme e é candidato ao título.
O Cruzeiro tem que contar com o improvável, mas deve manter a luta para não perder a terceira vaga da Libertadores.
O jogo terminou, mas as especulações e sugestões de que o campeonato é Corintiano vão permanecer até sei lá quando.
O justo era o empate, mas o Corinthians venceu.

Sexta no Anacleto

Pois é, caro leitor Flavinho Azevedo.
Eram apenas 449 pagantes no jogo São Caetano x América, em São Caetano.
Enquanto você preferiu me criticar pela opinião do Juca Kfouri, eu estava lá.
Nem computador levei. Fui lá ver o América jogar.
Não quero que me veja como torcedor, mas fui torcer mesmo.
O jogo se ofereceu em alguns momentos, mas o Coelho poderia até ter perdido o jogo.
Eduardo teve a chance mais clara do jogo e desperdiçou.
A volta de Luciano foi decepcionante em vários aspectos.
Na movimentação em campo, o tempo parado pode ter comprometido.
E a tendência é só piorar, já que ele saiu machucado.
Thiago Silvy deu mais movimentação, mas ao time faltou mais bola.
Em alguns momentos senti que ate ousadia o time poderia ter mais.
O resultado até que não foi tão ruim, mas bater o Sport é obrigação.
Sobre a volta do Coelho, é óbvio que quero que volte.
Cheguei a falar no próprio programa do Juca, mas poderia não querer e ainda assim falaria do que vi e do que acho.
Talvez, se não quisesse ver o Coelho bem, poderia apenas falar do jogo, mas preferi ir lá e conversei com os confiantes Caio Salum, Francisco Santiago e Carlos Cruz.

Goleada em Sete lagoas

Sob o comando de Dorival Jr. o Atlético fez três grandes partidas:
A primeira foi contra o Corinthians. O momento era dramático, o Corinthians abriu o placar e o Atlético sentiu golpe; sentiu, mas reagiu. O abatimento que tomava conta da equipe diante de situações adversas deu lugar ao empenho e a dedicação em campo e o Atlético virou a partida.

Outro grande jogo foi o clássico. Jogando contra o favorito Cruzeiro, o Atlético fez um primeiro tempo perfeito. Aproveitou as três oportunidades que teve e fez 3 a 1 no rival. Na segunda etapa o Atlético recuou, deu muito espaço ao eficiente meio-de-campo do Cruzeiro e foi muito pressionado. Marcou mais um, mas levou mais dois gols. O time não fez um bom segundo tempo, correu um risco desnecessário e por muito pouco não cedeu o empate ao rival.


A melhor partida do ano

Contra o Flamengo, o Atlético tinha mais uma oportunidade para se afastar da zona de rebaixamento. Se contra Botafogo e Santos a equipe vacilou e não venceu, contra o Flamengo o time não desperdiçou a oportunidade.

Antes do inicio de jogo vários jogadores do Atlético fizeram questão de cumprimentar seu ex-comandante Vanderlei Luxemburgo. Sem ressentimentos ou mágoas, o espírito de vingança ficou apenas nas arquibancadas e não entrou em campo.

O Flamengo começou melhor. O inicio da partida dava a sensação de que seria mais um jogo dramático para o alvinegro. Maldonado, Correa, Willians e Pet ganharam o meio-de-campo, mas o ataque rubro-negro não correspondeu. Sem Deivid – suspenso por ter levado o terceiro amarelo - Diego Maurício e Diogo passaram em branco.

Após os 15 minutos iniciais o Atlético se soltou em campo. Zé Luís e Serginho começaram a conquistar território, Diego Souza e Renan Oliveira apareciam para o jogo e os homens de frente, Obina e Tardelli, se movimentaram bastante.
O Atlético dominava o meio, porém, não encontrava espaços para finalização. Chegava com perigo nas bolas alçadas por Leandro, Serginho e Rafael Cruz.


Criatividade em campo

Quem acompanha o blog deve se lembrar de que em um post passado, depositei nos jogadores a responsabilidade de decidir o destino do Atlético fazendo algo diferente; pela segunda vez Renan Oliveira fez.
A primeira foi contra o Santos: com o adversário fechado na defesa, Renan resolveu arriscar, bateu de fora da área, o goleiro adversário não segurou e Obina marcou. Na partida de ontem, contra o Flamengo, aos 34 min., o lance se repetiu. Renan bateu de fora da área, Marcelo Lomba não segurou e Obina empurrou para as redes: Galo 1 a 0.

O Atlético seguiu pressionando e aos 42 minutos Obina retribuiu:
O avante alvinegro veio buscar o jogo, saiu da área e criou.
Obina dominou no peito e com um toque rápido botou Renan na cara do gol: 2 a 0.


Segundo tempo:

O Flamengo voltou mudado. Luxemburgo sacou Pet, Correa e Diego Mauricio. Com as entradas de Negueba, Marquinhos e Val Baiano, o time rubro-negro pressionou mais.
O jogo ficou perigoso para o Atlético que, na base da ligação direta – a bola não passava pelo meio - apostava nos contra-ataques, mas não conseguia sair de seu campo de defesa com qualidade.

A entrada de Ricardinho, no lugar de Diego Souza, foi determinante. Ricardinho botou a bola no chão, cadenciou o jogo e o Atlético chegou ao terceiro gol.
Aos 23 min., Serginho tocou para Tardelli que, driblou o zagueiro adversário, invadiu a área e ampliou a vantagem.

O gol devolveu a tranqüilidade ao Atlético. O Flamengo sentiu o golpe e o quarto gol não demorou a sair.
Aos 25, Renan Oliveira fez grande jogada individual, passou pela defesa adversária, invadiu a área e marcou o quarto gol atleticano no jogo.

O flamengo ainda conseguiu diminuir, aos 30 minutos com Marquinhos, em um forte chute cruzado sem chances para o goleiro alvinegro. Placar final: Atlético 4 x Flamengo 1.

Se contra o Flamengo o time do Atlético fez sua melhor partida tendo Dorival Jr. no comando, Renan Oliveira assumiu suas responsabilidades, se apresentou para o jogo, foi decisivo e fez seu melhor jogo vestindo a camisa do Atlético. (VR)

Colaboração: Vander Ribeiro

sábado, 13 de novembro de 2010

Frio e calor no Pacaembu

Faz frio em São Paulo.
E a tendência e esfriar ainda mais.
O tempo mudou tanto e tão rapidamente que o torcedor que for ao Pacaembu vai ter de levar uma blusa extra.
Em campo a temperatura deve ser outra.
Sandro Meira Ricci, que é mineiro, que se cuide.
Corinthians e Cruzeiro tem o mesmo número de pontos e buscam encostar no Fluminense.
Quem vencer pode garantir a participação na Libertadores.
Quem perder pode se preocupar com Atlético Pr, Grêmio e Botafogo.
O Cruzeiro manteve seu estilo e pegada dos últimos campeonatos e o Corinthians já não vive o drama do Departamento Médico lotado.
Thiago Ribeiro deve buscar jogar em cima do Willian, que é o zagueiro mais lento.
Dentinho e Bruno César devem buscar as tabelas em cima de Gilberto.
Os lados do Cruzeiro, que foram fortes por um bom tempo, vão a campo sob suspeição.
Jonathan não tem rendido e Gilberto não exerce a função.
O meio é a cara dos dois times.

Bill Shankly na coluna do SUPER

Você conhece Bill Shankly?

A seleção brasileira feminina de vôlei chega a mais uma final e o entusiasmo das meninas é contagiante. Está nelas, nos olhares, na força.
O futebol parece um pouco mais frio. Os atletas vibram, se motivam, querem ganhar. Entretanto, tenho a sensação que os zeros dos salários tornaram os jogadores de futebol mais frios e menos envolvidos.
É preciso recorrer um pouco a um passado distante.
Na terra dos Beatles, em 1959, um escocês chegava para mudar a história de um dos maiores times do mundo. Bil Shankly assumiu o Liverpool quando a equipe estava na segunda divisão inglesa. Por lá ele ficou até 1974. Foram 15 anos.
Três títulos do campeonato inglês, duas copas da Inglaterra e uma copa UEFA.
Mais que isso! Shankly, com seu estilo e suas frases, se tornou símbolo da torcida Red. Provocador, inquieto e insatisfeito, Bill Shankly certa vez foi perguntado sobre a pressão de se disputar uma final de Copa UEFA.
Ele não compreendeu a pergunta e se posicionou de forma extremamente popular, dizendo que pressão era a vivida dentro de uma mina, ou trabalhar sem receber salário.
A frase mais famosa dele retrata a forma com que ele via o seu trabalho. “O futebol não é uma questão de vida ou de morte. É muito mais importante que isso...”

Shankly- Para uns pode ser difícil compreender o que ele quis dizer. No entanto, fica claro como ele se entregava ao trabalho.
Foram 15 anos à frente daquele que se tornou o maior campeão inglês de todos os tempos e o time inglês mais vitorioso da Europa.
Os jogadores se doavam ao extremo por ele e confiavam no estilo dele.
Shankly era um estadista do futebol.

Personalidade- Algo que exalava dele era a paixão pelo time e pelo trabalho. Ele disse: "Fui o melhor técnico do futebol e devia ter vencido mais.
Não fiz nada de desonesto.
Quebraria a perna da minha mulher se jogasse contra ela, mas jamais a trairia." E sua intensidade era admirada até pela sua esposa.
Shankly não tinha medo de errar e fazia o mundo girar em torno dele.

Brasil- Em um país em que os técnicos são personalidades muitas vezes distantes da sociedade e que se apoiam em sucessos do passado para se manterem no topo, um pouco de humildade, de valor e de Bill Shankly não faria mal a ninguém. Até porque os títulos que ele conquistava só serviam para que ele se aproximasse mais de seu povo.

Paixão- Em tempos de ternos bem cortados e entrevistas recheadas de retóricas, Bill Shankly hoje seria um enorme sucesso de marketing.
Sobre uma decisão, ele disse: "Nem que eu estivesse doente perderia essa. Se eu estivesse morto, faria com que levassem o caixão para o estádio, colocassem ele em pé na arquibancada e cortassem um buraco na tampa."

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Não tem tarefa fácil para os Reds

É verdade que as primeiras rodadas complicaram o início do trabalho de Roy Hodgson.
O ex-técnico do Fulham assumiu o time cheio de conflitos, com departamento médico cheio e com clássicos e mais clássicos pela frente.
Os adversários tradicionais agora vivem seus dias de drama e se enfrentam.
Poderia significar que chegou a hora dos Reds, mas não é o que parece.
As rodadas 15, 16, 17 e 18 reservam confrontos diretos e rivais complicados.
Entretanto, antes de encarar a reta final do turno é preciso ganhar fôlego contra Stoke e West Ham.
O bom momento de Niño Torres e a proteção dada por Lucas podem reacender a mística.
Quem tem Steven Gerrard sabe que de uma hora para a outra tudo pode mudar.

Coxa quer recuperar o tempo perdido

Definitivamente o lugar do Coritiba não é na Serie B.
Entretanto, o Coxa caiu. Lembrando Cazuza, "foi ao inferno e voltou".
Via twitter, conversei com Alex, que sabiamente destacou que o problema não era subir. O grande desafio é o de se manter na elite.
O Coxa foi campeão brasileiro em 85 e sempre esteve no topo, mas na era dos pontos corridos e do uso equivocado do dinheiro, o time caiu e não ocupa o lugar que deveria ocupar.
O gerente de futebol, Felipe Ximenes, que se destacou em Minas Gerais e no Rio, efetivamente assumiu a gerência do clube e colheu os resultados.
Bati um papo com ele e os números da administração apontas para um futuro melhor.
Segundo Ximenes, no início do ano o Coxa tinha pouco mais de 2 mil sócios e hoje já tem perto de 20 mil.
Com cofre mais saudável, o time respira melhor e consegue projetar o próximo ano.
Com pé no chão e ousadia na alma, o objetivo não é de arrebentar sem sustentação.
O plano é de estruturar e apostar em um 2013 forte.
Em relação aos nomes para o comando técnico da equipe, Ximenes disse ter alguns nomes na manga e pretende manter o estilo Ney Franco de trabalho.
As novidades estão por aí e o Coxa pode e deve voltar a ocupar o lugar que sempre ocupou.

Edinho vale um post?


A torcida do Palmeiras gosta dele.
Felipão gosta dele e do estilo.
Mas Edinho é tão bom e importante assim?
Bom ele não é, importante ele é.
É impossível tirar dele o mérito de estar sempre ligado.
Deixar de falar de sua vibração e garra é um absurdo.
Entretanto, Edinho representa o antigo da função.
Edinho só desarma, só destrói.
Em pleno ano de Khedira, Schweisteiger, Xabi Alonso, Lucas e outros mais é impossível não reconhecer que Edinho era uma exigência do passado.
O presente já mostrou que os volantes devem exercer ao menos duas funções.
Mas Edinho e valente e conseguiu ser tema do post.
Tomara que Edinho consiga contagiar e ser contagiado.
Empolgar seus colegas e ver todos no mesmo pique e concentração nos jogos e, ganhar dos outros, a qualidade para acertar um passe de três metros.

De olho na 35

A rodada 35 tem tudo para ser muito boa e pode decidir algumas situações.
Atlético x Flamengo, Corinthians x Cruzeiro e Vasco x São Paulo já foram clássicos que decidiram o Brasileirão.
Santos x Grêmio fizeram uma semifinal de Copa do Brasil empolgante.
Os resultados podem decretar o rebaixamento antecipado de Grêmio Prudente e Goiás.
O Botafogo pode perder duas posições na tabela.
Ceará, que já jogou, e Vasco podem praticamente garantir vaga na Sul-Americana de 2011.
Sem falar nas lutas diretas pelas posições.
Santos x Grêmio é a disputa do 6° com o 7°.
Corinthians x Cruzeiro, 2° x 3°.
Guarani x Vitória, 14° x 17° - o Guarani pode passar o Vitória.
O principal jogo da rodada é o do Pacaembu.
São 120 pontos em campo.
O jogo que reúne o menor número de pontos é Guarani x Vitória, apenas 74.

Atlético x Flamengo
Mesmo se vencer, o Galo não ultrapassa o Flamengo, mas fica a um ponto. O que pode significar mais tranquilidade para escapar do rebaixamento. Desde a vitória contra o Cruzeiro que o time de Dorival não vence. O Flamengo teve sua primeira derrota sob o comando de Luxemburgo na última rodada. Em 5 horas de venda de ingressos a torcida atleticana comprou 16 mil. O jogo é de altíssimo risco. Reencontrar Luxemburgo não é o que a torcida atleticana queria, mas ele estará lá e precisa do resultado. São 76 pontos em campo.

Santos x Grêmio
Foi contra o Grêmio que Paulo Henrique Ganso fez a sua última partida. Contra o Grêmio, Neymar não jogará. O craque santista recebeu o terceiro amarelo e vai fazer muita falta. O Grêmio já mostrou que tem um bom time e pode chegar ao G4. São 104 pontos em campo e um confronto que foi muito bom na Copa do Brasil se repete.

Corinthians x Cruzeiro
A final de 98 agora é considerada uma decisão antecipada de 2010. A verdade é que a única decisão é sobre quem não vai brigar contra o Fluminense, que é o atual líder. Quem perder pode se distanciar muito e complicar a caminhada. Tite x Cuca. Ronaldo contra seu ex-clube. São 120 pontos em campo e um Pacaembu motivado e lotado para a arrancada do Corinthians. A direção do Cruzeiro também apostou na motivação e levou o time para treinar na Toca I com a presença da torcida.

Internacional x Avaí
São 85 pontos em campo. Normalmente quando equipes do sul se encontram a rivalidade é acentuada. O Avaí luta para se manter e o Inter já apagou a luz e tirou o pé do acelerador. Entretanto, o time ainda é muito bom e jogando sem pressão pode render até mais. O Avaí vem do abatimento da derrota e eliminação em casa pela Sul-Americana.

Guarani x Vitória
Os dois vão jogar sabendo o que aconteceu com Atlético e Flamengo. O certo é que precisarão do resultado. O Guarani não faz gols há 7 jogos e não vence há 9. O Vitória ameaçava uma reação e foi derrotado em casa na última rodada. Vagner Mancini reencontra o ex-time. São 74 pontos em campo.

Fluminense x Goiás
Pode ser o jogo do rebaixamento para o Goiás. Mas é sempre bom lembrar que o Esmeraldino adora aprontar no Maracanã. A saída de Jorginho e a chegada de Arthur Neto pode trazer algo diferente para a equipe, mas o Fluminense é o favorito. Muricy deverá ter Fred, Emerson e Deco à disposição. O Tricolor ainda tem a chance de disparar na liderança da competição. São 92 pontos em campo.

Atlético GO x Palmeiras
No turno o Atlético Go já surpreendeu e venceu bem fora de casa. Entretanto, o cenário é outro. O Palmeiras joga sem seus titulares e com boas possibilidades de uma "mala branca" recheada. Felipão já conseguiu vender seus conceitos e valores e o grupo, mesmo o reserva, já sabe o que fazer. Renê Simões poderá contar com Elias de volta, mas perde a zaga titular. São 87 pontos e campo.

Vasco x São Paulo
São 95 pontos em campo e possibilidade de pouco brilho. O São Paulo gosta do jogo ofensivo e o Vasco está parado na tabela. Se o São Paulo vencer, o time pode chegar perto do grupo dos 4 primeiros e pode voltar a sonhar com a chance de Libertadores. O Vasco pode assegurar a disputa da Sul-Americana de 2011. São 95 pontos em campo.

Atlético Pr x Prudente
São 80 pontos e duas realidades diferentes. O Furacão pode ocupar a quarta colocação e o Prudente pode confirmar a queda. A direção da equipe já sabe que o time caiu e dispensou cinco jogadores, durante a semana. Já o Atlético vive o êxtase. A direção gravou vídeo com Paulo Baier, Guerrón e Neto chamando a torcida e pedindo apoio. A tendência é ver o Furacão passar o Botafogo e sonhar com uma vaga na Libertadores.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Cruzeiro x Corinthians, Atlético x Flamengo e America - Coluna de O TEMPO

A coluna de O TEMPO de 12/11 está aqui.
O campeonato chega ao fim e os jogos de Cruzeiro e Atlético são muito importantes.
Os estilos de Corinthians e Cruzeiro são parecidos.
O duelo do Galo não é contra Luxemburgo, é pela pontuação.
As bobeadas do Coelho também estão na coluna.
Leia, opine e critique.

Um sábado diferente

Corinthians e Cruzeiro são times que usam muito o volume de jogo pelo meio de campo. Na linguagem do futebol, são times cascudos, de pegada, de intensidade pelo meio.
A fórmula é vencedora. Muitas vezes os times não brilham, mas vencem.
A situação dos dois na tabela é uma demonstração clara de que os estilos se encaixaram. O Corinthians tem em Ralf em protetor de zaga.
Ele sai pouco para o jogo, mas não permite que os lentos Willian e Chicão fiquem expostos. Jucilei e Elias são os grandes segredos do time.
Sem a bola eles marcam e com a bola saem com muita qualidade.
Bruno César faz gols. Bate bem de fora da área, mas não é o que podemos chamar de um armador de jogadas.
O ataque tem um jogador diferente, que é Ronaldo e Dentinho, que sabe jogar pelos lados do campo e volta bem para marcar.
O Cruzeiro não pode permitir que o meio corintiano funcione. Jucilei e Elias não podem ter liberdade para jogar. Um jogador pode desequilibrar.
Na minha visão, Thiago Ribeiro deve jogar em cima do Willian, atraindo Ralf. Se Ralf tiver que cuidar de Thiago, Montillo terá mais espaço para jogar.
Os times são parecidos, mas a arquibancada será paulista é importante igualar na vontade.

Prudência- Outro jogão será o de Sete Lagoas. Espero ver o Atlético agressivo, confiante e vencedor.
O Flamengo é um time que também não se acertou na competição e mostra muitas fragilidades. No entanto, comandado por Luxemburgo, o time só teve uma derrota e o empate é péssimo para o Galo.
Atacar sem recomposição é pedir para ser surpreendido.
É preciso ser inteligente.

Torcida- Muito tem sido falado sobre o reencontro de Vanderley Luxemburgo com os atletas e jogadores. Obviamente, Luxa não será amado ou recebido com carinho.
No entanto, é pouco inteligente hostilizar o treinador.
O pensamento ideal é o de dar a resposta em campo.
A torcida deve ser comedida. Todo cuidado é pouco para o clima não ficar tenso.
É apenas mais uma partida de futebol.

Palpite-Não vejo o Atlético de hoje como via o Atlético de Luxemburgo.
O time de hoje é mais forte, mais atento, mais confiante e motivado.
Perdeu para o Botafogo, mas pecou nas finalizações.
Ganhou do Corinthians e empatou com o Santos.
É possível vencer, mas repito: a maior resposta e o maior ensinamento que Luxa deve levar está em campo, na bola.

Complicou- A Série B está na reta de chagada e o a vida do Coelho se tornou difícil. Os tropeços fizeram Portuguesa e Sport chegar. Quem lutou até agora não pode entregar. A hora é de paciência e inteligência. Jogar no erro do adversário pode ser o caminho.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Galo treina para o Flamengo em dia de Palmeiras

É estranho ver o time treinar no dia do jogo, mas o Galo treinou hoje, dia de jogo pela Sul-Americana, contra o Palmeiras.
Na verdade, no CT do Palmeiras chegaram apenas os jogadores que jogam contra o Flamengo, pelo Brasileiro.
Dorival Júnior comandou um treinamento com bola, durante aproximadamente 50 minutos.
O treinamento foi feito com 10 jogadores de linha e Aranha defendendo o outro gol.
Treinou jogadas de bola parada e Serginho foi o destaque.
O time treinou com Rafael Cruz, Réver, Werley e Leandro; Joedson e Serginho; Nikão e Renan Oliveira; Tardelli e Obina.
Dorival exigia uma inversão rápida de jogadas e muita velocidade pelos lados do campo.
Leandro funcionou bem e Rafael Cruz errou muitos cruzamentos.

Conversei com Leandro, Obina, Tardelli e Serginho.
Os jogadores mostraram muita concentração para a partida de sábado.
Todos destacaram o duelo contra o Flamengo como o mais importante da semana e até do campeonato.
Serginho e Tardelli enfatizaram que a mudança de comando devolveu a confiança aos jogadores e Tardelli disse que Dorival procura mais o diálogo, o que facilita para o grupo de jogadores.
O time de hoje, contra o Palmeiras, deve ser o reserva mesmo. Entretanto, vários titulares estarão no banco de reservas, à disposição de Dorival Jr.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Duelo de meio em Corinthians e Cruzeiro

O jogo do próximo sábado é uma disputa direta pelo título ou pela Libertadores (dependendo do Fluminense).
A cara das duas equipes é semelhante.
O jogo do Cruzeiro é muito forte pelo meio e o Corinthians também tem na participação dos volantes um segredo para o sucesso.
Entretanto, a mudança que Cuca promoveu no jogo contra o Vitória e a presença de Gilberto fazem do Cruzeiro um time com menor pegada no meio.
O Corinthians tem uma cara e é fiel a ela.
Ralf faz um primeiro volante fixo. Ele protege a zaga e organiza o posicionamento de meio.
Jucilei e Elias saem para o jogo e marcam forte.
Os dois se movimentam e são muito responsáveis pela campanha do time.
O Corinthians é muito parecido com o Cruzeiro de Paraná, Henrique e Fabrício.
Mas Gilberto quebra um pouco o estilo.
É pelo meio o segredo dos dois times.

Dia de Coelho

Sempre gostei do Bahia, mas hoje é dia de Coelho.
O América está na luta e, vencendo hoje, tem tudo para garantir a vaga na Primeira.
O esforço da diretoria, comissão e do grupo de jogadores é notável, mas o destaque maior deve ser dado ao torcedor.
Deixar os medos e frustrações no passado e encarar a estrada semanalmente não é tarefa fácil.
O América tem feito campanhas e promoções a última tem muito bom gosto e apelo.
http://ciadelrey.com.br/vaicoelho

Muito legal!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Adilson acerta com o Santos, mas pode desarrumar o Galo

A diretoria do santos está para confirmar que Adilson Batista será o treinador da equipe em 2011.
Adilson não queria ser visto como um treinador que pula de galho em galho e não quis tomar o lugar de Marcelo Martelotte, por isso só aceitou iniciar o trabalho em dezembro.
A chegada de Adilson Batista indica a alteração na comissão técnica fixa do Santos.
Adilson assegurou ao blogueiro que bateria o pé para contar com o preparador físico José Mário Campez e com Ivair seu assistente há longo tempo.
O outro membro de sua comissão técnica é Oscar Rodrigues, atual preparador de goleiros do Atlético MG.
Adilson tem como marca de seu trabalho o jogo forte dos volantes e a liberdade para a movimentação dos homens de meio.
Arouca e Danilo devem ganhar liberdade com ele, mas Roberto Brum que se cuide.

Empate era ruim, mas a rodada ajudou

Atlético e Santos entraram em campo aguardando o reencontro entre Dorival e Neymar.
Entretanto, para atleticanos pouco importava o melodrama.
Era dia de sofrimento e luta pelos três pontos.
O Santos vinha todo desfalcado e sem muito compromisso.
Bom para o Galo? Nem tanto.
Jogar contra o Santos sem o time praiano sentir pressão é deixar os meninos brincarem de jogar bola.

Sem falar dos apagões, a bola rolando mostrou Neymar abertão pela esquerda e Marquinhos bastante desanimado.
Pelo lado do Atlético, dois volantes e dois meias. Ou quase isso!
Diego Souza e Renan Oliveira se movimentavam pouco e Zé Luís teve que ser substituído.

Neymar, com alguma liberdade, bateu de fora da área e Renan se esticou e não achou.
O gol mexeu com o Galo. O time, que já está abalado, passou a conviver com uma pressão ainda maior.
Serginho chamou a responsabilidade. Se a linha de criação não criava, Serginho tentou se adiantar e foi para o jogo.
Dele saiu o cruzamento para o gol de Diego Tardelli, ainda no primeiro tempo.

Os dois times abusavam da velocidade. O Galo era melhor, mas não conseguia achar o gol.
No segundo tempo o Galo chegou ao segundo gol.
Renan Oliveira bateu de fora da área e Rafael soltou nos pés de Obina, que fez com calma.

O Galo pressionava.
Diego Souza saiu e Nikão entrou bem.
Renan Oliveira cresceu.
Os lados do Santos se resumiam a Neymar inspirado.
O craque santista aproveitou falha de Renan Ribeiro para fazer o gol de empate.

O jogo continuou na base do desespero do Galo e nos contra-ataques do Santos.
O empate soava como um fracasso em casa. Mas a rodada que se desenrolou no domingo foi favorável e o Galo está fora da zona de rebaixamento.
O Santos continua com poucas aspirações, o que faz do time da Vila um time ainda mais irresistível.

Tapando o sol com a retórica

A tentativa de assalto ao piloto Jason Button talvez tenha sido apenas o início dos constrangimentos que vamos passar.
Não somos o país mais violento do mundo.
Não somos o país mais desorganizado do mundo, mas poderíamos viver bem melhor.
O país do futebol e do amor pela velocidade vive em pânico e nem percebe.
Estamos rodeados de cercas, olhos-mágicos, seguranças, blindagens e muito mais.
Entretanto, o nosso pior inimigo, talvez não seja o ladrão.
Alinhado, perfumado e com olhar altivo, o dono do poder deixa de agir e mascara a realidade.
Distantes das armas e diplomados fora do Brasil, nossos governantes se destacam na arte de escurecer o claro e falsear a verdade.
Alberto Goldman, atual governador de São Paulo, deu declarações dizendo não estar certo de que houve uma tentativa de assalto ao campeão do mundo.
Agindo de tal maneira, promovendo uma aparente paz, o governador deixa de ser um "homem de ouro" e nos faz questionar os números da violência no estado.
Goldman talvez tenha dado o tom dos discursos que virão até 2016, ano Olímpico.
Veremos e ouviremos cada coisa!
"O aeroporto não estava cheio, os passageiros é que se aglomeraram"
"Os hotéis não são tão ruins, os hóspedes é que não tiveram paciência"
"A obra não foi superfaturada. O tempo de execução exigia maior número de operários"