sábado, 2 de janeiro de 2010

02/01 Aniversário do Cruzeiro

É uma pena que seja uma data meio apagada para celebrações. Afinal de contas, Belo Horizonte está até sem trânsito, dá até para jogar futebol na Afonso Pena. Ainda assim o calendário insiste em informar que hoje, 02 de janeiro, é aniversário do Cruzeiro. São 89 anos de fundação. São muitas glórias, muitos gols e muitos herois. Quero dedicar atenção especial a um torcedor que virou símbolo para mim.

Em dezembro de 1997 eu trabalhava como representante do laboratório Aché. Fazia um roteiro pré determinado pela empresa. Uma semana trabalhava no bairro da Floresta e uma semana rasgava o centro da cidade para cima e para baixo. Trabalhava muito bem acompanhado de um colega cruzeirense acima de tudo. Um dia Widmark pegou seu calendário e começou a fazer as contas das semanas que antecediam a data da final do Mundial Interclubes contra o Borussia. Depois de ver feriados e contar as semanas do roteiro ele pode comemorar quando percebeu que no dia do jogo ele e eu estaríamos no centro da cidade. Como era meu primeiro ano na empresa e, feito louco tentava prestar atenção em detalhes de hidroclorotiazidas, diidroergotaminas, omeprazóis, histaminas, acetilcolinas, sinapses e etc, confesso que não conseguia ocupar com mais nada a minha cabeça.
Pouco antes do jogo começar eu pensava em como seria possível conciliar a necessária média de visitação diária e a vontade de ver o jogo. A atmosfera era diferente na cidade, mas repito: estava maluco para visitar pelo menos uns nove médicos na parte da manhã. Caminhando pela Espírito Santo, meu antigo celular tijolão tocou. Era o Wid. Agitado, do outro lado da linha, ele perguntou se eu já havia visitado o Dr. José de Matos - cardiologista que atendia em um consultório na rua Carijós. A resposta era óbvia! O Dr. José de Matos era, naquela época, muito difícil de ser visitado e claro que nem eu e nem Widmark havíamos falado com ele. Wid soltou uma gargalhada e falou que ele e o doutor José estavam lá no consultório e que estavam vendo o jogo. Era para eu correr para lá. Ainda demorei muito. Tinha que passar no carro e arrumar um tanto de brinde e diversos produtos para falar com um dos cardiologistas mais importantes de meu setor. Cheguei e o jogo já estava 1 a o para os alemães. Wid e o doutor estavam tensos e já haviam percebido que não daria mais.
Wid sempre foi um amigo especial. Quando fiquei incumbido de fazer uma matéria sobre o dia dos pais, logo pensei nele e no amor que ele demonstrava como pai.
O tempo fez nossos caminhos mudarem. O ramo profissional já não é o mesmo, as empresas já são outras. Entretanto, tenho certeza que Wid ficaria feliz em saber que ele é o cruzeirense que sempre me lembro quando alguém fala de um torcedor modelo e fiel.
A ele e a diversos amigos e muitos outros que ainda não conheço: Parabéns!

2 comentários:

charmison disse...

ai brother
ficou bacana as fotos
pena q eu nao pude ir ao jogoo
perdi esta festa bacanaa
kkk

KIM disse...

Caro Marra,
não podemos mais aceitar o Gilberto. Ou ele quer derrubar o Cruzeiro, ou ele quer derrubar o Adilson.
Vamos começar uma campanha para que a diretoria do Cruzeiro não o libere para o jogo da seleção Brasileira. Esta é uma punição correta para as molecagens que ele fez. Fora Gilberto !!