segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A torcida tirou Adilson


É verdade que os últimos jogos do Corinthians fariam qualquer treinador ficar em situação complicada.
Entretanto, uma simples análise sobre os desfalques amenizariam a avaliação precipitada.
Adilson conseguiu resultados expressivos com o Corinthians.
É inegável que o time acelerava mais o jogo, mas ainda assim ele saiu.
A entrevista do diretor Mário Gobbi deixou mais perguntas que respostas.
Gobbi insinuou que Adilson pediu demissão. O diretor mexeu com a pessoa errada.
A história de Adilson Batista não bate com entrega de cargo.
Ele se recuperou de duas fraturas seguidas e não acenava com a possibilidade de encerrar a carreira de zagueiro.
Pelo contrário, Adilson se levantou e foi campeão e capitão do Grêmio na Libertadores.
Adilson foi simples e, em sua entrevista, disse apenas que não queria atrapalhar nada.
O que verdadeiramente deixou o treinador irritado foi a pressão e a liberdade que a torcida do Corinthians tem no clube.
Na quinta-feira, alguns torcedores entraram no local reservado aos jogadores e gritaram com alguns.
Adilson não gostou e chegou a bater boca com os torcedores. Ralf é testemunha disso.
Tentaram "argumentar" que no Corinthians a coisa era diferente e ele bradou que ninguém explicaria a ele o que a instituição.
Adilson foi campeão mundial pelo Corinthians e viu seu pai sofrer muito pelo time.
Ele sabe o que é Corinthians.
O que ele não esperava é no dia seguinte outros torcedores também entrassem para cobrar.
A cena ainda se repetiu ainda no sábado.
A cobrança dos torcedores era pelo fato de Adilson escalar uns e não escalar outros.
Com a bola rolando, domingo, a pressão só aumentava e a hora havia chegado.
Adilson não teve problemas com Willian. Para ele, Willian não pode ficar exposto e, se ficar, o risco é grande. Willian sabe jogar, mas não tem pique. O time de Adilson é mais aberto e os zagueiros são mais exigidos.
Antes de ser demitido, Adilson chegou a conversar com os jogadores sobre a escalação do time contra o Vasco, na próxima quarta.
Na visão do treinador, o time deveria jogar com Castán, T. Heleno e Chicão.
Sem Castán, que foi expulso, Paulo André deveria ser o terceiro zagueiro.
Assim que a demissão se confirmou, o telefone do treinador Adilson Batista tocou.
Um grande clube já fez proposta para o fim da temporada.
Adilson não aceitou, mas tudo indica que em 2011 ele estará comandando uma equipe de muito valor.

4 comentários:

Poliana Alves disse...

Também acho que foi a pressão dos torcedores que ocasionou a saída do Adilson. A diretoria do Corinthians dá muita liberdade pra o pessoal das Organizadas, o que acaba favorecendo atitudes violentas,um grave erro dos cartolas.

JDuarte disse...

Prezado Mário Marra,

O problema maior que Adilson teve que enfrentar foram as contusões. Sem Ralf e Elias ele tentou Paulinho, Edú, Moacir, Danilo, Defederico para jogar junto com Jucilei e Bruno César. Não conseguiu equilibrar o time. Perdeu ainda Roberto Carlos e não tinha um LE decente no elenco. Tentou Castan como uma espécie de 3° zagueiro (não funcionou).
Defesa com todos os beques de perfil lento. E sem um volante para fazer a proteção (só Ralf teria estas características). E ao perder Elias ou Jucilei (ambos convocados) a marcação dos adversários foi facilitada.
Ai cometeu o erro de colocar 3 zagueiros sem um volante no esquema. Cedeu uma área nobre no meio aos adversários... Ceará e AtléticoGO se fartaram.
Agora quererem que um treinador aceite IMPOSIÇÕES de torcida organizada é demais.
Quando sentiu que o clima era este e que o presidente o ofereceu com João Batista à torcida, resolveu que tinha que sair.
No fim das contas realmente a torcida GAVIÕES DA FIEL forçou a queda do Adílson.

Anônimo disse...

Antes mesmo da chegada do Adilson ao Corintians, tinha "torcedor cruzeirense" escrevendo para a blogueira deles no Globo.com, falando mal dele. Verdadeira turma de candinhas fofoqueiras e magoadas...
E aqui, com raras exceções, tem a imprensinha mineira fajuta e fofoqueira, que dá tratamento diferenciado,persegue, critica machucando, e tudo depende se eles gostam ou não. Vide tratamento diferente entre o luxemburgo e o Adilson.
No mais, que o "timão" se exploda, já que quem manda lá é torcida organizada. Coisa de timinho...

thales rosa disse...

A midia aqui em minas e totalmente atleticana, eles metiam o pau no Adilson e endeusavam luxembrurgo, Adilson tem varios defeitos mesmo, é grosso e se acha perseguido, mas isto que aconteceu no corinthians e coisa de time amador..